O CURRÍCULO DA EJA E OS OBJETIVOS DA DISCIPLINA DE LÍNGUA INGLESA

28/06/2012 17:35

 

O CURRÍCULO DA EJA E OS OBJETIVOS DA DISCIPLINA DE LÍNGUA INGLESA


 

Concebemos a ideia de “currículo” não apenas como sendo uma coleção de conteúdos previamente definidos a serem trabalhados pelos educadores em suas aulas, mas acima de tudo uma espécie de documento que, além articular as várias áreas dos saberes e promover a formação dos alunos, confere à unidade escolar uma identidade própria.

O currículo escolar é algo dinâmico e construído para representar e envolver a comunidade escolar numa ótica participativa. Seguindo essa linha de raciocínio, o Ministério da Educação, em seu documento intitulado Indagações sobre currículo. Currículo, Conhecimento e Cultura, enfatiza que:


 

O MEC tem consciência da pluralidade de possibilidade de implementação curricular nos sistemas de ensino, por isso insiste em estabelecer o debate dentro de cada escola. Assim, optou por discutir eixos organizadores do currículo e não por apresentar perspectiva unilateral que não dê conta da diversidade que há nas escolas, da diversidade de concepções teóricas defendidas por pesquisadores e estudiosos. (BRASIL, 2007, p. 08).


 

Diante desse pressuposto, passamos a elaborar alguns pensamentos sobre a dinâmica do currículo na Educação de Jovens e Adultos – EJA no que se refere à modalidade em si e o que se desenvolve como prática na disciplina de língua inglesa.

Sabemos que os alunos da EJA são diferenciados daqueles que estudam no ensino regular e, por isso, as propostas curriculares direcionadas a esse público devem passar por discussões mais amplas e se basearem em documentos específicos que tratam do assunto, pois os saberes a serem adquiridos não são meramente acadêmicos, mas, sobretudo, uma sistematização e organização mental daqueles adquiridos no cotidiano e na vida profissional dos envolvidos.

Assim, entendemos que os objetivos em foco da disciplina de língua inglesa devem permear os interesses dos alunos e, consequentemente, as habilidades e capacidades que eles precisam desenvolver para que tal currículo possa ser de fato formativo, uma vez que ele serve de base norteadora par as ações que irão promover a cidadania e o olhar crítico do educando.

Sabemos que a disciplina de Língua Inglesa tem objetivos bem definidos dentro da proposta curricular. Entretanto, observamos que a maioria dos educadores dessa área insiste em transformar suas práticas docentes em verdadeiras aulas de gramática, limitando o aprendizado desse idioma a essa habilidade específica. Outros, por sua vez, utilizam o dicionário como ferramenta didática para que o aluno aprenda os significados das palavras do texto com a desculpa de que só traduzindo é que se chega à compreensão do texto.

Entendemos que a disciplina de língua inglesa é bem mais que isso. O estímulo do interesse e curiosidade, a constante interligação às outras disciplinas, o espírito investigativo, a orientação do aluno para um mundo cada vez mais multilíngue e a constante tarefa de se comunicar são, entre outras, as principais bases que norteiam os objetivos e propostas de um educador reflexivo e pesquisador, pois seu compromisso está ligado ao desenvolvimento do aluno como cidadão.

Em se tratando da EJA, é fundamental que os alunos trabalhadores sejam estimulados a entenderem a educação como forma de extrapolarem seus limites, ampliarem a visão que têm do mundo e resignificar suas práticas sociais. Sob esse enfoque, é oportuno dizer que os educadores dessa modalidade se configuram como facilitadores de um processo no qual ofertam e medeiam as oportunidades que os alunos têm de perceber o processo comunicativo como a troca de valores e experiências, o que os leva a continuarem nesse processo. Além disso, ao perceberem que são capazes de ultrapassarem suas barreiras, eles passam a ter mais iniciativa e autonomia no próprio aprendizado e com, isso, repensar suas posturas frente ao mundo em que vivem.

Porém, há muitos desafios nessa prática que queremos destacar. Um deles se refere ao currículo propriamente dito e o compromisso social em questão. Os professores devem elaborar pensamentos e organizar suas ações de forma a equalizarem o que ensinam em termos de língua e sua aplicabilidade no cotidiano. Essa tarefa não é fácil, uma vez que não se pode perder de vista tanto as exigências da própria língua como sistema e sua função comunicativa quanto à interação com outras disciplinas.

Outra tarefa árdua do professor de língua estrangeira na modalidade EJA é priorizar e organizar aquilo que deva ser mais relevante para o aluno. Sabemos que, no mundo atual, há uma gama de dados por vezes contraditórios e informações que não são muito relevantes. Sendo assim, o educador precisa estabelecer prioridades ao escolher seus temas em debate para que os próprios alunos possam aprender a interpretar o mundo de forma a selecionar aquilo que de fato vale a pena abstrair.

Entretanto, a nosso ver, a tarefa mais difícil para nós educadores é promover e aplicar a tríplice função da EJA. Baseada nos eixos de “reparação”, “equalização” e “qualificação”, a Educação de Jovens e Adultos apresenta uma perspectiva mais ampla do que a educação regular, pois as atuais discussões da implementação do seu currículo apontam para uma visão de resignificação do que se ensina para aquilo que de fato interessa, já que o currículo escolar não é algo isolado, mas sim parte integrante de uma sociedade que anseia pelo conhecimento.

 

REFERÊNCIAS:

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Indagações sobre currículo. Currículo, Conhecimento e Cultura. Brasília: MEC, 2007.